sábado, janeiro 19, 2008

uma casa portuguesa: o cante alentejano

[Texto em resposta a um desafio lançado aqui, a propósito disto.]

Gosto do Alentejo lento e cadenciado. Gosto da paz, da quietude, do embalo, da entrega e da simplicidade. O Alentejo dos campos e das searas... O Alentejo das vidas e... das pessoas!

O cante alentejano transmite tudo isso, todo esse embalo real... de quem vive! e não apenas de quem canta. A força e o sentimento transparecem nas modas mais lentas: somos envolvidos pelas vozes e como que transportados para as colheitas e sementeiras, para a dureza dos trabalhos, os sacrifícios, as vontades e esperanças do povo. Em modinhas mais animadas, temos também os namoros de janela, a alegria e a simplicidade da vida do campo. E não é só Grândola que reclama a voz do povo, não é só a rama da oliveira que testemunha a vida campestre e não é só a menina da janela que é enamorada... O Alentejo é grandeé tão grande o Alentejo!...

Uma polifonia de não sei quantas vozes e em intervalos tonais de mais não sei o quê... – peço desculpa aos entendidos... É sem dúvida, importante que haja quem saiba o que se está a fazer, mas, para já, vai-me bastando o cante alentejano como voz de toda uma região, como expressão e partilha de um sentimento, de um estado de alma. O ponto informa para onde vamos, o alto diz que estamos prestes a partir, e, na cadência e união das pessoas e das vozes, é com a entrada do coro que tudo isto ganha sentido: é o coro que nos transporta e acompanha nesta viagem ao nosso Alentejo... profundo...

Temos a força dos ventos
Já ninguém nos aguenta
E se a nossa moda é lenta
Vão depressa os pensamentos

Vitorino, "Temos a força dos ventos" (1975)



NOTA: O cante alentejano foi considerado Património Cultural Imaterial de Interesse Municipal por alguns municípios alentejanos e há rumores de uma candidatura a Património Cultural Imaterial de Interesse Mundial da UNESCO daqui a uns anos.

[Para mais informações sobre o cante alentejano: MODA – Associação do Cante Alentejano.]

foto: António Cunha

Etiquetas: ,

Partilhar

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

Voltar à Página Inicial