quarta-feira, janeiro 30, 2008

Geração Tinoni

Fotografia: Julie Blackmon

Durante muito tempo as portuguesas deram à luz nas suas próprias casas e eram assistidas por parteiras. Era vulgar o local de nascimento indicar uma morada de uma qualquer aldeia, vila ou cidade, com nome da rua, número da porta, andar e tudo [na época ainda ninguém se tinha lembrado de inventar o código postal].

Mais tarde chegou a época das grandes maternidades. As mães passaram a ser assistidas por obstetras, e nós passámos a nascer praticamente todos no mesmo local. Há quem diga [e eu acredito] que mais de 30% dos portugueses que hoje têm menos de 45 anos nasceram na Maternidade Alfredo da Costa.

Até que chegou o período Correia de Campos. Nesse período uma elevada percentagem das nossas crianças passou a nascer em ambulâncias, e as portuguesas a serem assistidas no parto por motoristas dos bombeiros. Os locais de nascimento passaram a ser os mais variados mas com a tendência para ficarem sempre a meio caminho entre o local de residência da parturiente e a maternidade mais próxima. Assim, passou a ser vulgar encontrar uma criança portuguesa com idades entre os zero e os três anos que tenha nascido na Estrada Nacional xis, quilometro ípsilon, na direcção tal [norte, sul, este ou oeste], e já com código postal e tudo.

Etiquetas: , ,

Partilhar

2 Comments:

Blogger Carlota said...

Excelente contribuição, André!
E, vai-se a ver, a expressão 'geração tinoni' ainda pega.

quarta-feira, janeiro 30, 2008 1:51:00 da tarde  
Blogger Sinapse said...

loool (para as etiquetas) e mais lool (para o post)

quarta-feira, janeiro 30, 2008 3:48:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

Voltar à Página Inicial