quarta-feira, fevereiro 06, 2008

Caipirinhas

Cada um tem o Cristo que merece. Lembrei-me disto durante a tarde, enquanto tentava esburacar uma parede sem a deitar abaixo e vi um sinal que me pareceu interessante (se tivesse escrito divino ali atrás é provável que estivesse a incorrer numa heresia ainda maior). Numa viagem ao Rio de Janeiro há coisas que são obrigatórias: feijoada, Pão de Açúcar, feijoada, Calçadão, feijoada, Ipanema, feijoada, Copacabana, feijoada, Lagoa Rodrigo de Freitas, feijoada, Cidade Maravilhosa, feijoada, bondinho, feijoada, havaianas, feijoada, calor, feijoada, Leme, feijoada, Santa Teresa, feijoada, Cristo Redentor… podia ficar aqui o resto da noite mas tenho de ir ver o Portugal – Itália e portanto fica abreviado sendo que o que falta aí atrás deve ser lido – e bebido – 50 vezes no título.
Mas para além de tudo isto o Rio de Janeiro é a minha cidade das cidades, só vendo se pode acreditar que algures em algum tempo seja lá quem for fez nascer aquilo. Deus, Zeus, Odin, Maomé ou Jah, não interessa porque quem foi está de parabéns. Digo isto porque religião não é o meu forte – já devem ter percebido – mas no Rio fica-se crente na hora. Entre os recuerdos que vieram de lá conta-se uma pequena imagem de Cristo com um imã, ideal para pôr no frigorífico. Pode até parecer piada de mau gosto mas o homem morre, alegadamente, na cruz e ainda é vendido em madeira para pregar no frigorífico. Não admira, portanto, que uma das primeiras decisões daquela peça foi atirar-se para o chão, sobreviveu é certo mas causou um pequeno problema cá em casa, o braço esquerdo foi-se, só aponta para a direita – foi certamente castigo. Em dias de discurso de Luís Filipe Menezes ou Santana Lopes, mistério dos mistérios, ele vira-se de cabeça para baixo e lá fica a apontar para a esquerda, estranhamente também fazia isso com o Correia de Campos, continua a fazer quando há discurso da Maria de Lurdes Rodrigues, e faz questão de se mandar para o chão cada vez que o jornal "Público" manda mais uma acha para a fogueira do filósofo da nação.
Se têm dúvidas deste verdadeiro fenómeno do Entroncamento aqui fica a prova, hoje ele apareceu a apontar para cima, em direcção à frase No Frost que está no topo direito do frigorífico, sinal mais do que óbvio que vem aí a Primavera.

Foto: minha

Etiquetas:

Partilhar

6 Comments:

Blogger Sinapse said...

Enquanto lia ... parecia-me reconhecer algo do estilo Leonor ... apostei (com os meus botões) que era a Leonor ... e afinal quem escreveu tão inspirado texto foi a cara-metade ... o venerável metaleiro! ;)
Há uma teoria segundo a qual os casais vão ficando parecidos fisionomicamente (talvez seja apenas nos trejeitos que os casais se vão parecendo, talvez as pessoas confundam e misturem tudo e achem que os casais se vão parecendo fisicamente) ao longo dos anos de vivência a dois ...

quinta-feira, fevereiro 07, 2008 12:22:00 da manhã  
Blogger Carlota said...

Achei um piadão à interpretação do fenómeno! :)
Esqueceste-te foi de uma coisa também imprescindível na vagem ao Rio. Uma coisa que até pode acompanhar a feijoada: torresmos. Deiciosos! :)

quinta-feira, fevereiro 07, 2008 8:43:00 da manhã  
Blogger Hélder Franco said...

Cara Sinapse isto do convívio é tramado :)

Colega Carlota tanta coisa que tive de esquecer já que o chefe da banda não gosta de textos com mais de 999 linhas.

quinta-feira, fevereiro 07, 2008 9:04:00 da manhã  
Blogger Leonor Barros said...

Adoro esses torresmos!

quinta-feira, fevereiro 07, 2008 4:12:00 da tarde  
Blogger Carlota said...

Eu estraguei uma mala à conta dos torresmos. Um dia lá no Rio, após farto jantar, o Chefe não conseguia comer mais, mas tinha pena de deixar os deliciosos pedaços de gordura (que, pura das verdades, é o que os torresmos são!). Então, eu sugeri que os embrulhássemos num guardanapo e pu-los numa das divisórias externas de uma pequena mala de camurça.
Vários dias depois, quando comecei a ver na mala uma enorme nódoa de gordura, lembrei-me dos torresmos. Está claro que o Chefe os comeu na mesma, com grande alegria por tal 'surpresa'. A mala, essa, morreu ali.
:)

sexta-feira, fevereiro 08, 2008 8:04:00 da manhã  
Blogger leonor said...

LOL
Logo uma mala de camurça ;-)

sexta-feira, fevereiro 08, 2008 12:48:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

Voltar à Página Inicial