quinta-feira, novembro 01, 2007

Pão-por-deus

No dia de Pão-por-deus as portas de minha casa escancaram-se, um prolongamento evidente da alma risonha e desvelada. Espreito-os pela janela, depois do chilrear que habitualmente os denuncia. Descem a rua e encaminham-se decididos para a minha porta. Tocam à campainha. Abro-lhes a porta, dizem ao que vêm e, de saco aberto, pregam os olhos vivos e iluminados na mesa colorida com recipientes vários: rebuçados, chupa-chupas, moedas de chocolate e gomas. No olhar o sentido de justiça infantil e com ele escrutinam quantas moedas a um e a outro, quantos chupas e se todos levam em igual quantidade de cada uma das guloseimas ao dispor. De ano para ano o crescimento evidente. Alguns dispensaram, entretanto, a vigilância familiar e regressam mais confiantes à procura das moedas de chocolate ou das bolinhas, imprescindíveis neste dia de alma iluminada. Um beijo, uma festa na cabeça, agradecem felizes, com os sacos tilintando e os sorrisos inestimáveis. Até para o ano.
Partilhar

5 Comments:

Blogger Arrebenta said...

O Dia das Bruxas, de Maria de Lurdes Rodrigues

http://asvicentinasdebraganza.blogspot.com/2007/11/noite-das-bruxas.html#links

quinta-feira, novembro 01, 2007 12:59:00 da tarde  
Blogger João Távora said...

Viva Leonor: Onde fica a sua janela?!?, só pode ser numa obscura vilória do interior atrasado e rural...

quinta-feira, novembro 01, 2007 4:55:00 da tarde  
Blogger Leonor Barros said...

Nem interior, nem obscura, nem atrasada. Rural com certeza, se não seria aldeia ;-)

quinta-feira, novembro 01, 2007 5:14:00 da tarde  
Blogger cristina said...

Desconhecia, por completo, a expressão portuguesa...

domingo, novembro 04, 2007 7:46:00 da tarde  
Blogger Leonor Barros said...

É uma tradição muito enraizada aqui na zona mas, pelo que sei, é partilhada por muito poucos concelhos no país.

domingo, novembro 04, 2007 8:14:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

Voltar à Página Inicial