quinta-feira, janeiro 05, 2006

Che, o fim de um mito

Em certas festas e festivais há sempre pequenas bancas com bugigangas para nos tornar mais bonitas, incensos e com t-shirts. Entre elas, há sempre meia dúzia com o Che estampado. Sempre as achei feias mas para mim o Che era um mártir por uma causa (a do comunismo). Acho, no entanto, a imagem original muito bonita.
Mas por causa de uma polémica recente decidi conhecer melhor a vida deste homem para saber se havia histórias dele que eu desconhecia. Comecei por procurar na Wikipedia espanhola: como Ernesto Guevara nasceu na Argentina, pensei que lá encontraria a biografia mais completa. Não satizfeita, procurei também a Wikipedia em inglês: sendo os Estados Unidos os grandes opositores do comunismo durante a guerra fria, pensei que aqui encontraria informação mais diversificada - pró e contra. Foi aqui que encontrei referências a um texto de Álvaro Vargas Llosa (filho do escritor Mário Vargas Llosa) que tenta desmistificar o mito.
Procurei mais textos deste autor sobre este assunto e encontrei. Por tudo o que li, Ernesto Che Guevara era um comunista que defendia o capitalismo de estado, arrogante para os camponeses e incapaz de estabelecer diálogo com eles. A vida em luta tornou-o sanguinário: muitas vezes matou não por necessidade mas por prazer ou demonstração de poder.
Para mim foi o fim do mito. Os mais criticos e os comunistas poderão dizer que encontrei o que procurei. Sem dúvida. Descobrir a verdade das coisas, por mais que ela doa é importante. Diariamente, constroem-se mitos que é necessário desmontar, sob pena de deixarmos de pensar por nós mesmos. Sendo de esquerda, acho que devemos deixar de viver de mitos e começar a viver de verdades - e esta ideia é válida para a direita também.
REFERÊNCIAS: Na Wikipédia: Che Guevara (em espanhol); Che Guevara (em inglês). Alguns textos de Álvaro Vargas Llosa: The Killing Machine; Diez Tiros al Che Guevara.
Partilhar

13 Comments:

Blogger Animatógrafo said...

E ainda assim, não é nada disso que fica nas t-shirts... O que é extraordinário...

quinta-feira, janeiro 05, 2006 9:18:00 da tarde  
Blogger Filipe Alves Moreira said...

Sabine: há muita gente de Esquerda que nunca viu em Che Guevara um mito. Um guerrilheiro de uma má causa que foi baleado depois de ter baleado muita gente, isso sim. E também há muita gente de Esquerda que nunca defendeu qualquer espécie de ideal comunista.

quinta-feira, janeiro 05, 2006 9:56:00 da tarde  
Blogger rui said...

se foi o alvaro vargas llosa que te convenceu, bem podes dizer que encontraste o que procuravas à tua medida. na vasta literatura sobre e do che, é preciso procurar só numa direcção para encontrar o sr. alvaro.
se procuras um pouco de "verdade" talvez fizesses bem em procurar um pouco mais.
é impressão minha ou este blog anda a deslizar de patins para a direita? um dia é o Filipe a deslumbrar-se com o claudio tellez (para quem o pinochet é assim uma espécie de santa da ladeira), hoje é a sabine com o alvarinho...

quinta-feira, janeiro 05, 2006 10:09:00 da tarde  
Blogger rui said...

e só agora voltei a reparar no título do post. o che guevara foi um personagem histórico com os seus defeitos e qualidades. Considerá-lo "um mito" dá nisto...

quinta-feira, janeiro 05, 2006 10:12:00 da tarde  
Blogger Filipe Alves Moreira said...

Caro Rui:
Não sei o que é que Claudio Tellez pensa sobre Pinochet, mas o que eu penso não tem nada de ambíguo: foi um ditador no Século XX, e como tal é condenável. Se fez crescer a economia, ou teve este ou aquele pormenor menos negativo (se...), é assunto a estudar. Mas uma coisa é estudar, outra é branquear. Eu não gosto que se branqueie ditadores, mas gosto de percebê-los. E concordar com o ponto de vista de alguém num determinado assunto não significa que se concorde com esse alguém em tudo o resto (seja esse resto o que for). Quanto a esse deslize para a direita,por mim agradeço a observação. Julgo que, para quem quer que escreve na blogosfera, é sempre bom perceber como são lidos os seus textos ou os blogues onde participa. Quanto à questão em si, será verdade e não será. Será, porque, cada vez mais, é-me pouco importante saber se tal ou tal ponto de vista é de Direita ou é de Esquerda. Por isso é normal que, embora não me considere de Direita, tenha posições que o sejam. Quanto à observação sobre Che Guevara, é isso mesmo: um personagem histórico com defeitos e qualidades. Mas isto na vida é assim: quando se inclina muito uma vara para um lado, é depois necessário incliná-la muito para o outro lado, para que se atinja um certo equilíbrio. Se há muita gente que ainda diviniza Che, é normal que, outros, o diabolizem. Até que se atinja o equilíbrio, que, segundo creio, nos fará ver que, afinal, Che Guevara é uma figura a quem o futuro não dará grande importância. Um pouco como aconteceu com Garibaldi, por exemplo, que foi um ícone de parte da juventude do Século XIX, e hoje não diz nada a ninguém.

quinta-feira, janeiro 05, 2006 10:51:00 da tarde  
Blogger André Carvalho said...

O Animatógrafo deixou aqui um comentário espectacular ;) não o poderia deixar passar em claro.

Quanto ao Rui... acho que pode ficar descansado porque de "Direita", aqui, só mesmo a minha pessoa... e mais um ou outro desaparecido. :) Tem toda a razão quando diz que não é com base numa ou outra fonte que se chegam a conclusões de tipo "universal". Mas não é um pouco o que todos fazemos? Como é que foi criado o "mito" do Che? Provavelmente [não o sei] a Sabine tinha um pouco essa ideia "mitológica", e ao ser confrontada com outras visões [opiniões], o "mito" caiu por terra. Nem eu, nem o Rui, nem ninguém pode ter certezas absolutas acerca do Che, por muito que procure, que estude ou que leia. Depende sempre das fontes as conclusões a que poderemos chegar. E também não é fazendo um mix das opiniões sobre o Che que podemos concluir algo de verdadeiro. Tudo isto é sempre muito relativo, mas na minha opinião, a Sabine chegou a uma conclusão interessante... por ela mesmo. E isso é que é importante. Sei que o Che não foi nenhum santinho, mas não me choca nada que alguém queira colocar uma imagem dele numa t-shirts e a use. Há malucos para tudo.

quinta-feira, janeiro 05, 2006 11:06:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É verdade que o Che é um mito, mas é-o para a habitual minoria esquerdista que viu nele o ícone que está tão alto e distante que nunca poderia ser alcançado. Os Socialistas Revolucionários do Prof. Louçã muito o admiraram, porque sabiam que não teriam que o imitar, embora sempre considerassem as eleições como uma decadência burguesa. Acontece que julgar traz os seus riscos, senão vejamos:
a) à luz dos nossos dias D. Afonso Henriques seria um terrorista separatista;
b) à luz dos nossos dias D. João I seria um traidor por ter incitado à insurreição armada contra o seu próprio rei, D. Filipe III, legítimo herdeiro do trono de Portugal.
Em Portugal escreve-se uma história zarolha, sectária e mentirosa. É óbvio que um zarolho facilmente a tome como verdadeira.

sexta-feira, janeiro 06, 2006 1:45:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Este artigo é um conjunto de barbaridades bem maior do que as que se supõem terem sido executadas pelo Che Guevara.

Belas fontes... gostei principalmente da Wikipedia, um local onde o conteúdo é passível de ser modificado pelos próprios users.

Um artigo vazio e em que o título não passa de "publicidade enganosa".

No meio da geração rasca há sempre quem tente ser um "illuminati"... enfim, há sempre amuadinhos no sistema!

sexta-feira, janeiro 06, 2006 9:31:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Apreciei o seu comentário, manuel alves. Mas olhe que D. João I (Séc. XIV - XV) não foi contemporâneo de Filipe III (Séc. XVI).

sexta-feira, janeiro 06, 2006 9:48:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

A Wikipédia pode ser uma fonte discutível. Mas Varga Llosa apresenta factos. Se acham que ele é tendencioso, porque é que não apresentam factos contrários? Se acham que ele mente, digam porque e onde é que ele mente.

sexta-feira, janeiro 06, 2006 10:48:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Caro Anónimo “illuminati” das 9:31h,

Se for bem depressinha, ainda é capaz de ir a tempo de corrigir esta entrada da Wikipedia. A malta ficava bastante agradecida. É que a malta é rasca… não tem guito para comprar essas enciclopédias com umas capas muito vistosas e lustrosas e que têm lá dentro a já conhecida sapiência dos “illuminati” que com a idade da Sabine andavam a fazer vénias ao Salazar e não perdiam nenhuma sessão da mocidade portuguesa. Agora são uns especialistas em Cha, Che, Chi, Cho e até em Chu.

Os comentários “illuminati” anónimos quando vêem babados é que são vazios… como o seu.

sexta-feira, janeiro 06, 2006 11:09:00 da manhã  
Blogger sabine said...

Caros Amigos,
Tudo o que queria vos dizer já foi dito pelo André. Só tenho a acrescentar 2 coisas:
1. Se procurar o outro lado das coisas é "virar à direita" o que será virar à esquerda? Por formação não aceito imposições de pensamentos (únicos), venham elas de esquerda ou de direita.
2. Se arranjarem provas que Álvaro Vargas llosa está totalmente enganado quero ser a primeira a saber.

sexta-feira, janeiro 06, 2006 7:28:00 da tarde  
Blogger AA said...

muito bem.

sábado, janeiro 07, 2006 11:19:00 da tarde  

Publicar um comentário

Voltar à Página Inicial